Posts com Tag ‘Papert’

Dedico esse post ao comentário – com certa frustração – do livro “A hora da geração digital” de Don Tapscott, 2010. Segundo os elementos pré-textuais da obra, o autor canadense é professor na Universidade de Toronto e também se dedica à consultoria em estratégia corporativa e transformação organizacional.

Capa do livro "A hora da geração digital"

O livro decepciona pela falta de prudência acadêmica de seu autor em alguns trechos, que são fartos de frases de impacto sugerindo senso comum. O estilo de escrita adotado favorece a leitura, mas por ser muito amplo afasta o leitor interessado em uma pesquisa mais aprofundada. A impressão colida é a mesma de participar de uma palestra proferida por um generalista que tenta agradar a psicólogos, administradores, pais, educadores etc. Uma excelente estratégia de marketing para sua venda…

Especificamente sobre a educação no contexto da cultura digital (capítulo 5) destaco dois trechos para reflexão. Uma das minhas incomodações é a ênfase dada necessidade da centralização da dinâmica educacional no aluno. O que vemos hoje – e criticamos – é a centralização do mesmo processo no professor. Será que a inversão dessa polarização resolve/melhora o processo de ensino-aprendizagem? Não seria melhor a ênfase no processo de ensino-aprendizagem onde ambos os sujeitos colaboram e participam ativamente como parceiros? Paradoxalmente, os argumentos do autor se apoiam nessa última ideia, mas a polarização no aluno abre a discussão. Isso me aparenta ser uma contradição ou mesmo um descuido.

Em outro trecho o autor relata uma experiência pessoal qualificada como “interativa”, isso na década de 70 e referente a aulas de estatística na Universidade de Albera:

Foi uma das primeiras aulas ministradas on-line – uma revolução educacional do Prof. Steve Hunka, um visionário em educação mediada por computadores. Isso foi antes do advento dos computadores, então ficávamos sentados na frente de um terminal conectado a um retroprojetor controlado por computador. Eu podia parar a exibição a qualquer momento, revisar a matéria e também me testar para ver como andava o meu aprendizado. A prova também era on-line. Não havia aulas expositivas. É bom saber: a aula de estatística é, por definição, uma chatice. Em vez disso tínhamos um horário que podíamos nos encontrar com o dr. Hunka, que não precisava dar aulas expositiva e podia nos dar atenção personalizada. (TAPSCOTT, 2010, p. 163)

Tapscott exagera e confunde o leitor leigo ao assumir ter vislumbrado aulas mediadas por terminais e que esse método seja interativo. Não o é. O que há, de fato, é transmissão de informação com controle limitado à pausa e repetição. A interatividade extrapola – e muito – o simplismo de um controle remoto e de responder “sim” ou “não” (ver Silva, 2000). Contrariando os princípios matéticos da aprendizagem com computadores introduzidos por Seymour Papert (citado várias vezes no livro), o autor cai em uma contradição e reforça a lógica da transmissão (ver Lima & Leal, 2010) efetivando o instrucionismo. Portanto, aquela aula era mais que expositiva: era puramente instrutiva. Assim, a abertura dada pelo “dr. Hunka” para o atendimento personalizado pode ser entendido como o momento salvador daquele processo de ensino-aprendizagem.

Outro exagero é qualificar e generalizar qualquer aula de estatística como “chatice”. Não acredito na inexistência de educadores da matemática que promovam processos de aprendizado efetivos, inovadores e agradáveis aos estudantes. Esse é um dos exemplos da falta de zelo acadêmico do autor.

Um ponto positivo do livro é reforçar e alertar sobre a questão do descompasso escolar frente à demanda da cultura digital. Se as novas gerações crescem imersas na cibercultura – que privilegia a colaboração, a troca interativa, a participação, a possibilidade da autoria e do posicionamento crítico via ciberespaço – então a educação precisa se incluir nessa dinâmica. Não por mero modernismo, mas pelo fato de que os estilos de aprendizado (e consequentemente o de ensino) são antagônicos aos da Era Industrial (padronização, memorização e repetição).

Até mais.

Obras citadas

LIMA, Márcio Roberto de. Leal, Murilo Cruz . Ciberpedagogia: indicativos para o rompimento com a lógica da transmissão. Vertentes (UFSJ), São João del-Rei, n.35, p.24-35, jan-jun/2010. Acesso alternativo em: http://marcinholima.com.br/publicacoes.php

SILVA, M. Sala de aula interativa. Rio de Janeiro: Quartet, 2000.

TAPSCOTT, Don. A hora da geração digital: Como os jovens que cresceram usando a internet estão mudando tudo, das empresas aos governos. Rio de Janeiro: Agir Negócios,. 2010.